Padrão TISS e TUSS: tudo que você precisa saber

Se tem uma coisa que é essencial para o bom funcionamento e gestão de organizações é a padronização. Na área da saúde, isso não é diferente. Os padrões TISS e TUSS, por exemplo, exercem um papel de destaque no segmento de saúde suplementar quando o assunto são as guias médicas.

Esses recursos, importantes para a documentação de atendimentos clínicos, devem ser elaborados de forma padrão, de acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) — sendo uma obrigação de todas as instituições de saúde seguir a legislação.

Quer descobrir mais sobre essas normas? Neste artigo, vamos explicar como cada uma delas funciona. Acompanhe!

O que é TISS?

O TISS, sigla para Troca de Informações na Saúde Suplementar, é um padrão eletrônico nacional e obrigatório estabelecido pela ANS junto ao Ministério da Saúde (MS).

Por meio dele, há a padronização na comunicação e cobrança de convênios médicos, o que otimiza a dinâmica de trabalho tanto das operadoras de assistência à saúde quanto dos prestadores de serviços.

Antes do TISS, as guias médicas eram personalizadas de acordo com a operadora. Ou seja, cada uma delas podia usar formatos de arquivos diferentes, como texto, XML e até papéis impressos, o que gerava vários problemas internos.

Agora, as guias são unificadas e contêm campos que atendem as necessidades de todas as instituições de saúde — sem complicações ou obstáculos.

Qual é a sua finalidade?

A principal finalidade do padrão TISS é a reunião de dados por meio de registro eletrônico. Além disso, essa norma também preza pela troca de dados segura e sigilosa entre operadoras de planos privados de assistência à saúde, prestadores de serviços, ANS, contratantes e beneficiários.

Como ele funciona?

Por ser um padrão eletrônico, o TISS deve ser feito de forma digital. Para isso, você pode contar com sistemas de gestão avançados, como o RIS (Sistema de Informação de Radiologia), o LIS (Sistema de Informação Laboratorial) e o HIS (Sistema de Informações Hospitalares) — todos com as siglas seguindo a nomenclatura em língua inglesa.

Leia também: Interoperabilidade em saúde: entenda o que é e quais os benefícios

Essas ferramentas ajudam os profissionais na hora de registrar os procedimentos médicos com eficiência e segurança. Ademais, elas seguem todos os padrões exigidos pela legislação vigente.

O que é TUSS?

A TUSS (Terminologia Unificada da Saúde Suplementar) é um instrumento que estabelece um padrão de linguagem, com códigos e nomenclaturas para a identificação de procedimentos médicos.

Instituída pela ANS, ela foi construída com base na última edição da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) e é obrigatória para o preenchimento de guias médicas.

Juntos, o padrão TISS e TUSS facilitam a troca de informações entre prestadores de serviços e operadoras de planos privados de assistência à saúde.

Qual é a sua finalidade?

O padrão TUSS foi criado com o objetivo de evitar confusões e problemas de comunicação. Sem ele, um exame, como uma radiografia de tórax, pode ter um código para o convênio A e outro para o convênio B, além de poder ser chamado por outro nome, como raio-x de tórax.

Para resolver esse problema, a ANS estabeleceu uma tabela com todos os códigos e nomenclaturas que devem ser utilizados pelos convênios na hora de autorizar e cobrar pelos exames.

Como ele funciona?

O papel da TUSS é orientar o momento de preenchimento das guias médicas. Usando os termos corretos, a comunicação e a cobrança dos exames e consultas se torna algo muito mais simples e rápido.

Com a obrigatoriedade do padrão TISS e TUSS, os estabelecimentos de saúde têm maior controle sobre os serviços realizados por convênio médico, o que reduz erros e glosas médicas. Além disso, há uma melhora na relação de trabalho com as operadoras de assistência à saúde.

Gostou deste post? Assine nossa newsletter e receba conteúdos relevantes para a sua clínica diretamente no seu e-mail! Até a próxima!