Saúde digital: 3 benefícios de aplicativos de apoio para gestão

Devido à informatização da medicina diagnóstica e incorporação de tecnologias em todos os aspectos da vida cotidiana, a saúde digital é uma estratégia que vem ganhando adeptos continuamente.

Além de facilitar a rotina dos usuários, ela ainda aperfeiçoa a gestão de pacientes. Assim, seus benefícios são muitos, envolvendo desde a resolutividade de situações simples, como lembretes de consultas e uso de medicamentos, até o envio de resultados de exames laboratoriais e radiológicos.

Ademais, por meio dos relatos virtuais ou consultas de telemedicina, os profissionais podem diferenciar quais situações necessitam de suporte emergencial e quais demandam apenas orientações básicas.

Então, quer entender melhor como a saúde digital traz benefícios para profissionais e pacientes? Continue lendo e confira estas informações a seguir!

1. Acompanhamento clínico do paciente em tempo real

É cada vez mais comum que profissionais de saúde precisem acompanhar seus pacientes por diversos meios. Médicos obstetras, endocrinologistas, cirurgiões, pediatras, dentre outros, são solicitados frequentemente via plataformas virtuais e telefones celulares, por exemplo.

Em casos clínicos mais complexos, as ferramentas tecnológicas facilitam também a tomada de decisão, pois permitem a troca de fotos e vídeos. Assim, o profissional pode direcionar o paciente, em tempo real, quanto às condutas necessárias para reduzir possíveis complicações.

Leia também: Radiologia digital: como utilizar para melhorar sua produtividade? 

Vale ressaltar, todavia, que essas facilidades de comunicação nunca devem ignorar questões éticas e de boa conduta, para não influenciarem na relação terapêutica já consolidada ou refletirem em solicitações desnecessárias.

2. Monitorização dos parâmetros de efetividade do tratamento

Antigamente, os pacientes precisavam marcar seus exames com muita antecedência e o resultado ainda demorava para ser entregue, o que acabava comprometendo o prognóstico clínico do indivíduo.

Com o advento da telemedicina, hoje é possível obter laudos de imagem a distância e transmiti-los para os médicos em um tempo bem menor do que a versão tradicional, otimizando os próximos atendimentos do paciente.

Também é possível receber notificações no celular sobre o resultado dos exames, alertas sobre consultas médicas futuras e até informações sobre saúde e bem-estar, assim como o uso consciente dos medicamentos prescritos.

3. Gerenciamento dos dados clínicos e medicamentosos do paciente

Graças à multiplicidade dos aplicativos disponíveis, hoje é possível gerenciar as informações dos pacientes no próprio telefone celular ou tablet, além de armazená-las na nuvem, e manter-se atualizado com informes técnico-científicos.

Assim, os profissionais podem instituir condutas clínicas mais adequadas às doenças do indivíduo, levantar informações sobre medicamentos recém-lançados e até propor uma discussão científica com os colegas de trabalho via teleconferência. A situação clínica do paciente é compreendida em sua plenitude — o que contempla, inclusive, suas condições socioeconômicas — trazendo uma abordagem holística a essa relação.

Todas essas facilidades tendem a aproximar os profissionais clínicos dos seus pacientes, na medida em que atendem bem as suas solicitações e evitam comportamentos relacionados à automedicação ou encaminhamentos desnecessários a unidades de emergência.

Enfim, podemos resumir a saúde digital como um movimento que garante aos profissionais clínicos ferramentas tecnológicas capazes de gerenciar e compilar dados dos pacientes, receber informes científicos atualizados e monitorar, em tempo real, dados laboratoriais e radiológicos. Com isso, a relação terapêutica se fortalece e evitam-se decisões sem embasamento clínico!

E você, como vê a saúde digital no seu consultório? Sobrou alguma dúvida sobre o assunto? Para você, quais ferramentas tecnológicas são essenciais nos dias de hoje? Deixe o seu comentário!