Os 5 erros mais comuns na administração hospitalar

O trabalho de um gestor é quase sempre complicado. O profissional tem que atender às demandas dos acionistas, funcionários, clientes e outros. No setor da saúde, isso não é diferente. A administração hospitalar precisa ser bem feita para não comprometer os processos e não prejudicar o paciente.

Sendo a gestão uma atividade multifacetada, que envolve a tomada de decisão, planejamento, controle, análise de desempenho e demais tarefas, pode ser, muitas vezes, falha. No caso dos hospitais, existem erros que são mais comuns do que outros e que impedem o bom funcionamento da instituição.

Quer saber quais erros são esses? É só continuar a leitura para descobrir!

1. Gestão de estoque inadequada

Esse é o gargalo da maioria das organizações. Isso porque o estoque parado representa um dinheiro investido, porém sem giro. Ao mesmo tempo, a ausência de insumos compromete a operação do hospital e pode colocar vidas em risco.

Contudo, o maior erro nessa gestão hospitalar não está no almoxarifado e na farmácia, ao contrário do que muitos pensam. O grande volume de materiais e medicamentos estocados na UTI, carros de emergência e demais setores dificilmente são controlados. A dica é otimizar essa administração de forma a englobar toda a instituição.

2. Falta de treinamento

Sendo uma empresa e uma prestadora de serviços, é fundamental que os funcionários estejam devidamente treinados para garantir a satisfação dos pacientes. Mesmo que o objetivo de um hospital seja salvar vidas e aliviar o sofrimento, a equipe precisa estar preparada para lidar com as diversas situações que acontecem nesse ambiente.

A capacitação envolve o uso correto das tecnologias, o descarte de resíduos, os procedimentos padrões, o atendimento, o aumento da produtividade e outros. Somente uma equipe preparada consegue entregar um serviço de excelência. Você quer isso para o seu hospital?

3. Comunicação deficiente

Para que a rotina de trabalho seja eficiente, o administrador do hospital deve garantir que a comunicação interna não tenha falhas. Como o paciente é a maior preocupação dos colaboradores, essa integração entre os setores pode acabar sendo negligenciada.

Informações imprecisas, equivocadas e, até mesmo, a falta delas atrasa o fluxo dos processos, reduz a produtividade e pode, inclusive, causar conflitos no ambiente. Além de garantir uma equipe bem treinada, o gestor consegue melhorar essa deficiência por meio do uso de tecnologias.

4. Nenhum investimento em marketing digital

Engana-se o gestor que não promove seu hospital. O marketing, mais especificamente o digital, é importante para criar no público a confiança nos serviços oferecidos, apresentar os profissionais envolvidos, as especialidades e, até mesmo, estimular os exames de rotina.

Para evitar que pacientes procurem seu concorrente para realizar procedimentos que seu hospital faz, a sugestão é promover conteúdos relevantes, com temas de interesse das pessoas e que mostrem preocupação com a saúde de todos.

5. Falta de atualização

Esse erro é mais comum em cidades pequenas, em que a concorrência não é tão grande e os médicos são mais conhecidos pela população. Entretanto, com a facilidade de locomoção, esses fatores já não são mais suficientes para garantir a satisfação e a escolha do paciente.

A cada ano surgem novas técnicas e especializações no ramo da saúde. Muitas pesquisas são desenvolvidas e as pessoas estão mais informadas. O administrador do hospital precisa cobrar de seus profissionais essa atualização e investir em novas tecnologias e processos.

O gestor não pode focar em apenas uma área, pois o bom atendimento só é possível quando todos os setores estão integrados. Vimos que o baixo desempenho em uma área compromete o resultado como um todo.

Como nós nos preocupamos com esses desafios da administração hospitalar, procuramos ajudar as pessoas que lidam diariamente com a saúde. Se você ficou interessado em nossas dicas, não perca tempo! Assine a newsletter agora mesmo.