Sistema PACS: o que é e como ter sucesso em sua implantação

implementação de tecnologias aplicadas à saúde tem apresentado um papel fundamental na gestão clínica. Esse fato impacta positivamente a relação dos médicos com os pacientes por meio da integração de informações eletrônicas e maior agilidade dos processos. O sistema PACS (Picture Archiving Communication System) é um exemplo de sucesso da junção da tecnologia e da medicina diagnóstica.

A ferramenta armazena os exames de imagem desde a captação até o monitoramento, além de possibilitar a comunicação de diferentes clínicas e setores da saúde. Quer saber mais sobre o sistema PACS e como implementá-lo de maneira eficiente? Continue acompanhando nosso post!

Os principais objetivos do sistema PACS

Dentre os principais objetivos desse sistema estão:

– agilizar o processo de gestão de imagens;
– garantir maior acessibilidade dos pacientes e outros profissionais da saúde;
– assegurar os dados dos exames compartilhados;
– potencializar a integridade das imagens.

Vale ressaltar que a garantia da segurança é fundamental quando tratamos do armazenamento eletrônico de informações pessoais dos pacientes.

Os benefícios da implantação

Você já deve ter imaginado que, diante dos objetivos do sistema PACS, os benefícios são bastante significativos, certo? Pois bem! A unificação de diferentes processos isolados em apenas uma plataforma digital reduz os custos operacionais consideravelmente.

Gastos com manipulação e procedimentos químicos de imagens, além da impressão de exames e espaço físico de armazenamento são eliminados. O investimento inicial pode até ser relativamente alto, entretanto, a economia com esses processos em médio e longo prazo justificam o gasto inicial.

No que diz respeito às imagens, a qualidade de resolução e velocidade de busca aumentam a produtividade do serviço clínico. Laudos e exames compartilhados digitalmente minimizam tempo diante da agenda atribulada de muitos profissionais.

Ademais, o sistema PACS também apresenta funcionalidades que auxiliam na manipulação de imagens e acesso remoto, possibilitando a análise a qualquer hora e lugar.

A implantação do sistema PACS

Agora que já entendemos as definições e principais benefícios que o sistema PACS apresenta, veremos quais são os 3 passos para uma implantação eficiente. Vamos lá!

1. Estudo de viabilidade e planejamento

Em primeiro lugar, deve-se mapear a situação atual dos equipamentos e sistemas digitalizados, identificando as especificações técnicas, problemas e gargalos das atividades desempenhadas. Assim, é possível planejar soluções e estabelecer metas específicas baseadas nos dados investigados.

2. Instalação e testes

Nessa fase, a participação de uma equipe especializada na tecnologia da implantação é fundamental. É necessário instalar e configurar o sistema PACS de acordo com o projeto estabelecido, além de transferir as informações prévias, testar a plataforma e conectar corretamente os equipamentos médicos da clínica ou hospital.

É importante, ainda, integrar o sistema com a ferramenta RIS (Radiology Information System), possibilitando a otimização de toda a gestão de imagens e registros do paciente.

3. Treinamento e manutenção

Por se tratar de um sistema novo, treinar a equipe envolvida garante que as operações sejam adequadas. Para isso, as informações devem ser transmitidas de forma clara, ressaltando os objetivos da ferramenta.

A manutenção se dá pela avaliação da utilização e resultados, sendo que o provedor é o responsável por fornecer suporte e atendimento às necessidades.

Como podemos perceber, o sistema PACS tem impactos positivos na produtividade, acessibilidade e armazenamento do controle de imagens diagnósticas. Assim, implementar essa inovação tecnológica com sucesso requer a assistência de profissionais especializados que possam auxiliar nas 3 principais fases de implantação do sistema.

Se você gostou do conteúdo do nosso post, assine nossa newsletter e fique por dentro de assuntos relacionados à gestão clínica!