4 avanços tecnológicos que melhoram a segurança do paciente

Os avanços tecnológicos vêm auxiliando cada vez mais a área da saúde, em todos os setores, como na melhoria dos processos administrativos, atendimento e relacionamento e segurança do paciente.

Esse último processo, inclusive, embora pareça simples, é um dos mais complexos e merece atenção especial. Isso para que sejam evitados problemas que possam comprometer a evolução da saúde de um paciente.

Por isso, além das práticas mais simples e comuns, as clínicas, hospitais e demais ambientes voltados à saúde devem se inteirar e utilizar a tecnologia a fim de evitar problemas cotidianos.

Confira o post e conheça as principais inovações que podem garantir a segurança do paciente dentro da sua instituição. Vamos lá!

O avanço tecnológico e a área da saúde

Conceitos atuais apontam seis principais atributos dos cuidados com a saúde:

  • segurança do paciente;
  • efetividade;
  • centralidade no paciente;
  • oportunidade do cuidado;
  • eficiência;
  • equidade.

As novas tecnologias colaboram, e muito, com todos os serviços prestados por uma clínica e, consequentemente, com a experiência positiva dos pacientes, garantindo os atributos citados.

As tecnologias que melhoram a segurança do paciente

Entre as diversas tecnologias que possibilitam maior controle dos processos nas clínicas médicas, as que atuam na otimização da segurança de pacientes oferecem possibilidades inovadoras (o que não quer dizer que sejam complexas) na tentativa de evitar ocorrências médicas prejudiciais aos pacientes.

Elas oferecem métodos que combatem, por exemplo, diagnósticos incorretos, infecções hospitalares e medicações administradas de forma errada. Veja!

1. Prontuário eletrônico de paciente

Uma das melhores maneiras de evitar procedimentos errôneos na assistência prestada aos pacientes é utilizar o prontuário eletrônico.

Com a utilização desse sistema, nada fica no papel. Exames e laudos, administração de medicamentos, internações e todos os outros processos que envolverem o diagnóstico e tratamento de um enfermo podem ser consultados a qualquer momento com um clique.

Além de permitir diagnósticos precisos e coibir erros, o prontuário só pode ser acessado por pessoas autorizadas, com senha.

2. Medicamentos

Na administração de qualquer medicamento a um paciente devem ser levados em consideração problemas que ele pode ter com algum componente da fórmula e também outros remédios que ele pode estar ingerindo.

Para evitar intercorrências relacionadas a isso é indicada a adoção de prontuários digitais e exames mais detalhados, disponibilizados por softwares modernos.

Outra possibilidade é a de checagem da medicação à beira do leito. Basta um aparelho móvel com Wi-Fi e a enfermeira pode checar todos os procedimentos realizados e as drogas administradas àquele paciente, de maneira que não haja confusão.

3. Pulseira de identificação com código de barra

Ao adotar pulseiras de identificação com código de barras, clínicas e hospitais incluem dados que possibilitam maior segurança no processo de identificação da pessoa, inclusive se ela mudar de leito.

4. Interoperabilidade

Outra tecnologia utilizada que traz muitos benefícios quando o assunto é a segurança do paciente é o uso de Big Data. A partir dela é possível obter todas as informações clínicas de um paciente, mesmo que ele nunca tenha passado por aquele ambiente.

Isso porque os dados são digitais e colhidos por todas as instituições que prestaram atendimento ao paciente até então. Ou seja, ele possibilita a análise de todo o histórico de saúde da pessoa.

Assim, investir nas ações disponibilizadas por meio dos avanços tecnológicos, como as apontadas neste post, contribui com a redução do tempo de tratamento e internação, assim como na melhora da saúde do paciente e na baixa incidência de doenças.

Agora que você já sabe como empregar a tecnologia para contribuir com a segurança do paciente, saiba mais sobre a evolução da medicina diagnóstica e as tendências tecnológicas para os próximos anos!