Medicina digital: como softwares inteligentes ajudam no diagnóstico

Na atualidade, quase todos os setores econômicos passam por um processo de digitalização. Com todos os desafios enfrentados pela área da saúde, não é de se estranhar que ela seja uma das que mais investem em tecnologia atualmente.

São criados softwares de diferentes modalidades, que buscam atender às demandas distintas de cada etapa do cuidado em saúde (prevenção, diagnóstico, tratamento, acompanhamento, gestão). Mas, como de fato os softwares inteligentes de medicina podem favorecer a obtenção de um diagnóstico preciso?

Essa é uma dúvida recorrente para muitos gestores da área, preocupados com a relação entre o custo dos investimentos e o retorno esperado. Continue a leitura e entenda como esses softwares e a medicina digital podem revolucionar o trabalho médico nos próximos anos.

O que é um software médico inteligente?

Um software médico é um sistema que oferece ferramentas virtuais que têm o principal objetivo de facilitar o trabalho do profissional de saúde. Eles são desenvolvidos especialmente para a área de saúde e podem ser focados na otimização de diferentes processos. Há softwares para auxiliar no diagnóstico, na gestão das instituições, para organizar os atendimentos, etc.

Uma das principais características dos softwares é que eles automatizam muitas tarefas, isto é, os programas passam a realizar atividades que antes eram feitas manualmente pelos profissionais de saúde.

Por que a medicina está cada vez mais digital?

Primeiro, pode-se mencionar o crescimento populacional, que exige atendimento rápido e gestão de processos mais eficiente. Além disso, há maior descoberta de novas doenças e tratamentos, que impõem novos desafios para os profissionais da área.

No entanto, talvez o motivo mais importante seja a demanda dos próprios pacientes por um atendimento qualificado e humanizado, sem contar com o aumento da competitividade na área entre os profissionais. As pessoas não só se preocupam mais com a saúde, como também procuram melhores formas de tratamento. Isso gerou um movimento dentro das instituições em direção à humanização e ao uso de novas tecnologias.

Além disso, a adoção de tecnologias e o auxílio digital têm permitido maior praticidade e agilidade para os profissionais, o que faz com o que os próprios gestores dos estabelecimentos também implementem esse tipo de solução, em busca de maior produtividade. Os profissionais ficam mais motivados pois trabalham de uma maneira melhor e os pacientes ficam satisfeitos devido à agilidade de respostas e à qualidade do cuidado prestado.

Qual a importância desses softwares no diagnóstico?

A medicina diagnóstica é uma das que mais se apoiam no uso de softwares inteligentes. É compreensível, uma vez que diagnósticos precisos são determinantes para o sucesso de um tratamento.

Assim, são usadas diversas tecnologias que permitem melhor visualização de tumores e outras doenças, processam dados de maneira mais rápida ou realizam exames rapidamente. Eles também podem ser usados para o monitoramento e a verificação de resultados de tratamento.

Uma grande vantagem de muitos softwares é que eles podem ser acessados de qualquer lugar ou dispositivo com acesso à internet (como tablets e smartphones). Isso favorece o acompanhamento à distância pelos médicos, o compartilhamento de diagnósticos entre médico e paciente e até o conhecimento da opinião de outro especialista.

Mas, como citamos no início do texto, existem softwares que auxiliam também outras etapas do cuidado em saúde, como o tratamento e o acompanhamento do paciente, a gestão de estabelecimentos de saúde e a educação na área de saúde.

Como adotar softwares inteligentes de medicina?

Existem diversos tipos de tecnologia que podem ser aplicados na medicina, alguns já usuais e outros bastante promissores. Veja algumas modalidades:

  • inteligência artificial: pode ser usada para a obtenção de diagnósticos mais precisos e a recomendação de tratamentos;
  • realidade aumentada: ajuda a visualizar melhor as áreas do corpo a serem investigadas ou operadas. Com uma visão em 3D, o médico pode avaliar a situação de diferentes ângulos;
  • computação cognitiva: processa os dados de forma mais rápida e eficiente, apresentando novas soluções de tratamento. Por exemplo, pode ser usada no sequenciamento de DNA e na identificação de doenças genéticas;
  • nanotecnologia: pequenos dispositivos que realizam monitoramento e análise podem ser inseridos dentro do paciente, fornecendo um diagnóstico mais preciso;
  • telemedicina: uso das tecnologias de comunicação e informação na assistência à saúde nos casos em que a distância é um fator crítico. Os meios digitais são utilizados para troca de informações entre especialistas, laudos a distância, diagnóstico a distância.

Para que você entenda na prática como os softwares podem auxiliar no diagnóstico, trazemos alguns exemplos específicos de softwares que foram criados nos últimos tempos:

  • Prontuário eletrônico: a tecnologia do prontuário eletrônico já é utilizada há algum tempo no Brasil e no mundo. Ela consiste em um modelo de prontuário médico digital, que reúne todas as informações de saúde do paciente em um software ou hardware. Atualmente, costuma estar integrado a um software de gestão médica;
  • Mendel MD: software criado por um cientista brasileiro que trabalha fazendo a filtragem e a seleção das informações obtidas no sequenciamento do genoma com o objetivo de auxiliar médicos e geneticistas a identificar doenças genéticas;
  • Aumience: software que analisa histórico médico do paciente, anotações médicas e exames laboratoriais. De acordo com as informações encontradas, lista possíveis diagnósticos do paciente;
  • IDx-DR: software que é capaz de diagnosticar retinopatia diabética através de fotos da retina do paciente, sem a necessidade de um médico especializado interpretar os resultados. Basta que o profissional faça o download da foto para o software.

Esses são apenas alguns exemplos de como a medicina digital pode contribuir para a saúde agora e nos próximos anos.

É importante destacar que, antes de adotar softwares inteligentes de medicina, é preciso se certificar da credibilidade e da capacidade de atendimento da empresa responsável. Além disso, os softwares e os dispositivos precisam atender às demandas de diagnóstico de sua instituição.

Se você gostou do texto, aproveite a visita para assinar nossa newsletter e receber mais conteúdos em sua caixa de entrada!