5 funções da robótica na área da saúde

O uso da robótica na área da saúde tem crescido vertiginosamente devido às vantagens de sua aplicação, tanto para o paciente, no aspecto clínico, quanto nos parâmetros econômicos dessa ferramenta.

Sendo assim, observam-se cirurgias menos invasivas, redução de dor e traumas para os pacientes e recuperações mais rápidas. Além disso, a robótica pode diminuir o tempo de recuperação do paciente em determinados procedimentos, evitando complicações e garantindo rotatividade dos leitos de internação.

Sem dúvida, a tecnologia tem levado o segmento healthcare a grandes mudanças. Por isso, se quiser ficar pode dentro desse assunto, leia este artigo até o fim e conheça as funções da robótica na área da saúde!

Robótica na área da saúde

1. Robôs na cirurgia

A robótica na medicina tem se mostrado uma parceria de grande sucesso, e um desses avanços se dá com a ajuda de robôs durante procedimentos cirúrgicos ou na monitoração dos parâmetros clínicos do paciente.

Por meio de um programa de computador, o robô executa procedimentos muito meticulosos, enquanto o cirurgião faz o planejamento do procedimento e apenas observa a sua execução, para ajustar alguns pontos caso ocorra algum imprevisto na evolução clínica do paciente.

Leia também: Veja como os wearable devices estão inovando a saúde

Com esse procedimento, não haverá desvios na trajetória estipulada e planejada, mas alta segurança, rapidez e manobras incrivelmente precisas. Também pode-se evitar o nervosismo dos profissionais iniciantes frente à complexidade do caso clínico em questão.

Nas cirurgias mais complexas, os aparelhos robóticos contribuem para procedimentos menos invasivos e recuperação mais rápida. Isso porque a incisão cirúrgica é definida para a região específica, o que facilita significativamente o desempenho da cirurgia.

No Brasil, existem várias experiências de procedimentos de grande complexidade, como as cirurgias para câncer de pâncreas, intestino ou estômago, diverticulite, casos ginecológicos e de endometriose com comprometimento de outros órgãos.

Muitas intervenções, como as de próstata, útero, do aparelho digestivo e cardíaco e remoção de tumores na cabeça já foram realizadas pela ação de robôs, alcançando grande sucesso e excelentes níveis de eficiência.

2. Braços robóticos

Pelos braços robóticos, mediante uma combinação de retroalimentação visual, tátil e auditiva, os movimentos das mãos de um cirurgião são reproduzidos fielmente pelos braços do robô, tornando o procedimento orquestrado e muito controlado.

O cirurgião se sente como se estivesse presente na cirurgia, podendo ter a sensação do tato e sentindo a firmeza dos tecidos que os braços do robô estão manipulando.

A câmera é afixada no robô de modo a se manter imóvel e reproduzir imagens 3D em alta definição, que são vistas com mais nitidez, facilitando os procedimentos mais delicados e reduzindo as chances de danos.

Mesmo os médicos mais experientes podem tremer um pouco em cirurgias mais delicadas e de difícil acesso mas, com a ajuda do robô, isso não acontece, uma vez que um maior nível de precisão é alcançado facilmente.

O robô elimina o tremor, e o médico pode mover os eixos a 360 graus, atingindo ângulos que as mãos de um médico alcançariam com muita dificuldade. Isso garante novas possibilidades de movimentos para os profissionais.

3. Telecirurgia

A Telecirurgia uniu dois recursos tecnológicos: a telemedicina e a robótica, o que possibilitou a ampliação do leque de serviços clínicos tanto no aspecto terapêutico, quanto de monitorização dos dados vitais do paciente.

Isso porque os robôs, na telecirurgia, podem representar um cirurgião operando na sala ao lado ou até mesmo a quilômetros de distância — neste caso, fazendo uso de tecnologias de transmissão via videoconferência.

Em lugares mais remotos, mesmo que um cirurgião não tenha tanta experiência em determinada cirurgia, ele pode ter o auxílio de um perito com sistemas de telemedicina, o que evitaria deslocamentos desnecessários de pacientes críticos para localidades mais avançadas e garantiria menor impacto para o doente.

Com essa técnica, o cirurgião que acompanha a cirurgia pode interferir a qualquer momento, dando apoio ao cirurgião local, desde que tudo previamente estudado considerando todos os riscos que comprometeriam a vida do paciente.

Para tudo isso, basta que haja um sistema de cirurgia robótica. Nenhuma cirurgia será impossível por causa de locais isolados, aumentando a produtividade e a eficiência das intervenções.

4. Telepresença

A telepresença é outra possibilidade de robótica nos serviços de saúde. Por meio de robôs instalados em diversos setores, é possível se comunicar com o médico e discutir intervenções menos urgentes.

Os robôs de telepresença podem funcionar por até 80 horas, sendo 20 horas de uso intermitente. Também podem se deslocar facilmente, possuindo sensores anticolisão. São conectados à rede WiFi do local e controlados por dispositivos móveis como tablets ou smartphones.

A função desses robôs é promover acesso rápido aos médicos especialistas, mostrar o resultado dos exames já realizados no paciente e discutir casos com a equipe de apoio, facilitando a tomada de decisão.

5. Robôs de enfermagem

A carga de trabalho da equipe de enfermagem é alta e requer atenção no cuidado do paciente, tanto em relação aos procedimentos, à administração de medicamentos, quanto na monitoração dos parâmetros vitais.

Por isso, os robôs de enfermagem vêm ganhado espaço para facilitar algumas atividades, minimizando as ações repetitivas e colaborando para que os enfermeiros se dediquem à situações mais complexas.

Nesse sentido, a ajuda robótica funciona para mensurar dados clínicos, aperfeiçoar o processo de administração de medicamentos e armazenar, via prontuário eletrônico, aquelas informações que podem ser acionadas pelos supervisores clínicos do plantão.

Benefícios do uso da robótica na área da saúde

O uso da robótica na medicina pode proporcionar vantagens clínicas e econômicas. De um lado, percebe-se maior precisão nos procedimentos, facilidade para fazer cirurgias a distancia, além da possibilidade de contar o apoio de especialistas por videoconferência.

Sabe-se também que a automação dos processos antes executados repetitivamente pelos profissionais de saúde reduz erros preveníveis e aumenta a produtividade, fatores cruciais em um estabelecimento de saúde.

Além disso, a ferramenta automatizada nos procedimentos amplia o rol de serviços para um estabelecimento e inova, ao desenvolver técnicas diferenciadas para resolver problemas clínicos.

A robótica na medicina diminui o tempo de internamento, os riscos de infecções e o sangramento, com pouca agressão cirúrgica e menos traumas. Além disso, verifica-se que os grandes cortes são evitados, assim como as cicatrizes profundas e as hemorragias severas; os pós-operatórios são amenizados. Também se observam benefícios em outros campos de atuação da robótica na saúde, além daqueles direcionados à cirurgia.

Agora que você conhece a eficácia de algumas das funções da robótica na área da saúde e a sua importância, leia o nosso artigo sobre softwares para profissionais de saúde!