Medicina diagnóstica: 6 cuidados na escolha da tecnologia de gestão

As tecnologias de gestão vêm crescendo no meio da saúde, com destaque para o setor de medicina diagnóstica, que ganha muito com o uso dessas ferramentas. Antes de qualquer contratação, é preciso buscar entender as principais funcionalidades que essas tecnologias podem oferecer e como elas correspondem à realidade do seu serviço.

Em primeiro lugar, o gestor deve conhecer o seu estabelecimento. Ele também precisa identificar seus pontos positivos e negativos, buscando soluções tecnológicas no mercado que atendam às suas necessidades específicas.

Listamos, a seguir, alguns aspectos que devem ser observados ao escolher qualquer tecnologia de gestão. Acompanhe!

1. Integração com outros sistemas

Uma das principais características que um sistema de gestão em medicina diagnóstica precisa ter é a integração com outros sistemas já existentes na clínica ou hospital, como o PACS (Sistema de arquivamento e comunicação de imagens). Essa integração é benéfica pois:

2. Suporte eficiente

A empresa fornecedora da tecnologia de gestão deve garantir um suporte de qualidade e com rapidez, que inclua:

  • a transferência dos dados do sistema antigo;
  • a disponibilidade para manutenção após a instalação da ferramenta;
  • a resolução de dúvidas.

É interessante buscar informações com outros clientes, para garantir que o suporte seja feito sem comprometer o atendimento aos pacientes.

3. Armazenamento de dados

Na atualidade, todos os bons sistemas de gestão trabalham com o armazenamento de dados na nuvem, por isso garanta essa funcionalidade ao contratar. As vantagens do armazenamento em nuvem são:

  • não há risco de perda das informações;
  • maior segurança no armazenamento de informações;
  • fácil acesso para análise das imagens por outros profissionais e para o próprio paciente.

4. Facilidade de uso

É claro que a empresa oferecerá um treinamento para o uso da nova tecnologia de gestão, mas é sempre melhor buscar ferramentas que sejam intuitivas e de fácil usabilidade. Dessa forma, as informações do paciente serão encontradas mais rapidamente, e todo o atendimento pode ser realizado de forma mais ágil.

Além disso, a equipe pode se adaptar mais facilmente a incorporação da nova tecnologia.

5. Possibilidade de crescimento

O sistema de gestão escolhido deve ser capaz de crescer junto com seu estabelecimento, de forma que você não precise trocá-lo quando o serviço evoluir. Assim, você evita gastos (de tempo e dinheiro) com uma nova migração.

Por isso, é interessante buscar informações sobre limites de armazenamento de dados e de cadastro de novos pacientes.

6. Gestão financeira

Um dos pontos-chave para a boa gestão de qualquer estabelecimento é o controle financeiro. Por isso, o sistema de gestão deve contar com ferramentas de fácil uso, que controlem e organizem o fluxo de caixa, estoque de materiais, exames por paciente etc. Os dados armazenados serão a base para o planejamento financeiro, com definição de metas e projeção de receitas futuras.

A medicina diagnóstica pode beneficiar-se muito com a escolha certa da tecnologia de gestão, que deve sempre ser focada no perfil e necessidades específicas do seu serviço, com vistas à melhoria contínua do atendimento.

Se você gostou desse texto, aproveite para seguir a nossa página no Facebook e acompanhar nossas atualizações!