Computação em nuvem: deciframos os termos mais importantes. Conheça!

A computação em nuvem é uma tecnologia que está ganhando a atenção de várias empresas e pessoas nos últimos anos. Hoje, já é amplamente utilizada por muitos empreendimentos, incluindo clínicas e hospitais, tornando negócios mais produtivos e com um custo operacional reduzido. Mas como toda tecnologia, o cloud computing pode causar confusão à primeira vista em função de expressões técnicas.

Se esse é o seu caso, veja neste post os quatro principais termos da computação em nuvem que você precisa conhecer!

1. Escalabilidade

A escalabilidade é um conceito que está relacionado à possibilidade de esses sistemas terem a sua capacidade de armazenamento e processamento de dados modificada sempre que for preciso. Nesse sentido, as ferramentas de cloud computing se destacam por permitirem que empresas/instituições de saúde mantenham serviços de alta performance e se adaptem facilmente às mudanças em suas demandas.

De acordo com a necessidade, um gestor de TI poderá modificar a quantidade de recursos contratada. Isso impactará diretamente nos custos de manutenção de uma ferramenta na nuvem, uma vez que os usuários sempre utilizarão uma parcela de recursos correspondente ao que é necessário. Consequentemente, gastos com TI serão mais precisos no médio e longo prazo.

2. Software as a Service (SaaS)

O SaaS (sigla para Software como Serviço, em português) é um dos principais modelos de negócios de ferramentas de computação em nuvem. Ele está relacionado ao licenciamento de softwares e soluções de TI de acordo com as necessidades do usuário, sem que contratos de nível de serviço incluam multas de fidelidade.

Nesse modelo de negócios, ferramentas são contratadas por meio de planos cujo valor varia conforme o número de recursos contratados. Elas podem ser pagas mensalmente, trimestralmente ou anualmente. Assim, a empresa consegue planejar-se com mais segurança.

3. Big Data

Rotinas de análise de dados fazem parte dos processos de vários negócios. Com o auxílio do Big Data, essas atividades ganharam uma nova forma, podendo lidar com um número maior de registros.

O Big Data foi criado para que empresas conseguissem analisar, com alta velocidade e precisão, uma grande quantidade de dados. Geralmente originados de várias fontes, tais registros podem conter informações que, por exemplo, auxiliam analistas a prever tendências de mercado. Consequentemente, o negócio pode manter-se competitivo e preparado para as mudanças na economia.

4. Armazenamento na nuvem

Serviços de armazenamento na nuvem ganharam destaque nos últimos anos. Por meio deles, empreendimentos conseguiram definir estratégias com mais mobilidade e flexibilidade. Além disso, os custos de gestão de dados foram reduzidos drasticamente.

As plataformas de cloud storage trabalham com aplicativos para a sincronização de arquivos em vários dispositivos. Nelas, é possível acessar e modificar dados via web, em ambientes desktop ou mesmo mobile. Tudo com alta performance e confiabilidade e sem uso de papel.

Assim, as empresas poderão manter os seus dados acessíveis com a certeza de que somente as pessoas corretas terão acesso aos registros. Além disso, o compartilhamento de dados será maior, algo crucial para manter times bem integrados, especialmente na área da saúde.

Quer saber mais sobre computação em nuvem e como essa tecnologia pode ser integrada à sua empresa? Então entre em contato conosco!