Incorporação de TI na gestão da saúde proporciona mobilidade e eficiência no atendimento ao paciente

inovacao“A expectativa é que a informatização da saúde seja uma das principais alavancas para uma ampla transformação na qualidade e custo da assistência médica”. Essa é a avaliação do Healthcare Information and Management Systems Society (HIMSS – Sociedade de Informação e Sistemas de Gestão em Saúde), principal órgão do mundo a tratar TI sob a perspectiva do setor de saúde.
Na prática clínica, mesmo que ainda exista resistência no uso de TI para assistência ao paciente e gestão do negócio, é claro o benefício adquirido por meio da incorporação da tecnologia, ao desempenhar um papel de grande aliada na promoção de práticas mais efetivas. Clínicas, hospitais e centros de diagnóstico têm potencializado a eficiência dos processos assistenciais ao adotarem sistemas de informações que elevam a eficiência operacional, ferramentas que permitem automação e gestão de processos, técnicas que proporcionam mobilidade e produtividade, além de suporte à gestão estratégica.

Recursos criados para a área da saúde permitem otimizar funções como o histórico médico e do paciente, classificação de emergências, monitoria das condições clínicas em tempo real e remotamente. Neste panorama, as vantagens da tecnologia a favor do negócio, vão além do âmbito institucional: alcançam a esfera social pela rapidez e maior segurança no atendimento, oferecem ganhos ao paciente no que diz respeito à agilidade do serviço, precisão do diagnóstico e segurança do atendimento.

A tecnologia não deve ser usada apenas enquanto instrumento de suporte, mas como recurso estratégico da estrutura de saúde. A partir dessa visão, são estabelecidas novas práticas de governança e criação de um ambiente que vise excelência clínica. Gestão centrada no paciente, foco em resultado clínico, responsabilidade social, valorização de pessoas, comprometimento de direção e outros valores norteiam a governança baseada em TI e ganham cada vez mais atenção, sobretudo, em instituições de saúde que buscam melhorar a qualidade dos serviços e elevados padrões de segurança na assistência.

Nos Estados Unidos, com o Health Information Technology for Economic and Clinical Health Act (HITEC – Lei da Tecnologia da Informação em Saúde para Economia e Saúde Clínica), o cenário se expandiu e hoje já cobre 97% dos hospitais e 74% dos consultórios. Responsável por esse mapeamento, o ONC – Office of the National Coordinator (Escritório da Coordenação Nacional para TI em Saúde), ligado ao governo norte-americano –, constata que os médicos e prestadores de serviços que utilizam recursos de tecnologia conseguem tomar decisões melhores, com base em informações seguras e mais abrangentes.

Embora ainda exista um longo caminho a percorrer, há uma forte expectativa e mesmo a necessidade de criarem-se padrões que permitam o reconhecimento do valor dessas soluções no apoio à decisão clínica, acesso à informação e potencialização do atendimento ao paciente. Quanto mais rápido for esse processo, maiores serão as chances de ampliar os horizontes e romper barreiras no setor de HealthCare.

Fontes: Saúde Business e Healthcare Information and Management Systems Society – HIMSS.